Na terça-feira, 28 de dezembro de 1954, Havana despertou em calma. No entanto, nas confluência das avenidas de Rancho Boyeros e Vía Blanca, chegavam homens, mulheres e crianças de todas as partes da cidade. Pouco depois do trânsito ter sido obstruído, por motoristas e passageiros que abandonaram os veículos em que viajaram e se juntaram aos curiosos que, à distância, olhavam para um objeto estranho que parecia ser um disco voador.

O artefato era como uma placa aparentemente metálica, parecia ter cerca de doze metros de diâmetro e quatro metros de altura. Ao redor de sua circunferência estavam seis pequenas escotilhas onde as luzes piscavam. O aparelho tinha no topo uma cabine transparente a partir da qual emergiu um periscopio que olhava para o horizonte. A rádio transmitiu a notícia. Os repórteres, fotógrafos e cinegrafistas dos diferentes meios de comunicação chegaram. Cerca de vinte mil pessoas curiosas se reuniram,

O Ministro de Segurança Nacional e Interior Ramón Hermida, ordenou que a polícia agisse e membros do exército e a marinha também se juntaram. Às dez horas da manhã, mais de setenta uniformados com metralhadoras e rifles cercavam o artefato. Os bombeiros apoiaram a ação…

Narciso Báez, do jornal Prensa Libre, foi um dos primeiros repórteres gráficos a chegar e sentiu a tensão que reinava lá. Muitas pessoas assíduas aos livros e filmes de ficção científica foram sugestivas porque alguns argumentos se baseavam precisamente em discos voadores tripulados por “marcianos” sanguinários e cruéis que invadiram a Terra e, mesmo que fosse fantasia, todos os que viram isso estavam aterrorizados.

E ficaram mais aterrorizados quando o prato e começou a emitir sons estranhos muito agudos, afiados e horríveis. Alguma piada de imaginação fácil disse “ter visto”, por um momento, um rosto grotesco de visão de pele verde através da cúpula de vidro. Isso correu de boca em boca e causou pânico, gritos e orações ao céu implorando proteção divina.

 

A polícia tentou, em vão, se comunicar com os ocupantes. Exceto pelo som que raramente era escutado, não havia sinal de vida lá. Às onze horas da manhã, por ordem do ministro, o assalto ocorreu. A tensão do público aumentou, os agentes da ordem avançaram cautelosamente e cercaram o aparelho. Eles não encontraram nenhuma porta e subiram ao telhado. Quando eles iriam quebrar o cockpit com as pontas de rifle, uma música conhecida e contagiosa foi ouvida acompanhada por algumas vozes que cantavam: Os marcianos já chegaram já, e chegaram dançando cha cha chá / ricachá, ricachá, ricachá / assim eles chamam em Marte o cha cha chá…

Abriu se então uma porta bem escondida, de onde famosos artistas da televisão nacional como: Rosita Fornés, Armando Bianchi, Herminia de la Fuente, Rogelio Hernández e Marta Véliz sairam sorrindo, feliz, dançando e cantando, pronto para começar um show de surpresa que prepararam para a Havana.

Foi, então que se revelou a brincadeira, era uma piada para o “Dia dos Inocentes” patrocinado pelo Canal 4 e cerveja Cristal, dirigido por Joaquín M. Condall e encenado pelos intérpretes do popular programa de televisão “Meu marido favorito”.

Na noite de 27 de dezembro, o disco foi movido para os terrenos da Cidade Desportiva, onde um guindaste gigante colocou-o no chão. No início da manhã, os artistas se instalaram lá com seus disfarces e suas metralhadoras de brinquedos e esperaram por longas horas. Mas se esqueceram de informar as autoridades.

O que esses artistas não imaginaram é a policia não gostou nada do ridiculo que fez, e o proprio Ministro de Gobernação os mandou prender na hora, e cancelou o show, Rosita Fornés protestou: – Não somos delinquentes, senhores! Mas isso não ajudou, eles foram escoltados e transferidos para os escritórios da Polícia Secreta localizados na Rua Reina, onde foram mantidos presos.

Assista ao Documentario onde depões os criadores e participantes.

Veja, comente, compartilhe!